Três empresas bancam 65% da arrecadação de presidenciáveis

Três empresas –a JBS, dona da marca Friboi, a fabricante de bebidas Ambev, e a construtora OAS–
são responsáveis por 65% do financiamento das campanhas eleitorais pela Presidência da República
até aqui. O dado é da primeira rodada de prestações de contas das campanhas, conjunto de informações divulgado nesta quarta-feira (6) pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

No total, os 11 candidatos a presidente e seus comitês financeiros arrecadaram R$ 31,2 milhões. As empresas são responsáveis por 91% desse total. Outros 6% são de financiamento público, por meio dos Fundos Partidários. Pessoas físicas contribuíram com os demais 3%.142199

A JBS lidera o ranking de financiadores. Foi a empresa que mais doou para a presidente Dilma Rousseff (R$ 5 milhões), a que mais doou para o senador tucano Aécio Neves (também R$ 5 milhões) e ainda a segunda da lista do candidato do PSB, Eduardo Campos (R$ 1 milhão). Os R$ 11 milhões investidos pela JBS representam 35% do total geral desta primeira rodada de contas eleitorais. Por meio de sua assessoria, a empresa informou que “faz esse tipo de doação há bastante tempo” para “participar do processo político”. “Nossas doações seguem as relações que mantemos com os partidos, tanto nacionalmente quanto nos Estados”, disse. “As doações ao PT e ao PSDB foram maiores por conta da maior presença e pulverização desses partidos no país”, disse a firma.

A empresa disse que ainda irá avaliar se fará novas contribuições aos candidatos nas próximas semanas. A Ambev repassou um total de R$ 6,7 milhões aos presidenciáveis do PT, PSDB e PSB. A OAS deu R$ 2,6 milhões, somando as contribuições para Aécio e Campos.

A Folha procurou representantes dessas duas empresas para comentar, mas não teve resposta até o fechamento desta edição. Presume-se que os candidatos e seus comitês receberão muito mais dinheiro ao longo da campanha. Na eleição presidencial de 2010, a primeira parcial de contas representou 8,1% do total arrecadado até o fim da disputa. Na ocasião, a concentração do financiamento em poucas empresas também já chamava a atenção desde a primeira parcial, mas era um pouco menos intensa: os três maiores doadores respondiam por 56% do total.

CANDIDATOS
Até agora, Aécio lidera a corrida pelo dinheiro, com R$ 11 milhões arrecadados. Dilma conseguiu R$ 10,1 milhões. Eduardo Campos, R$ 8,2 milhões. Juntos, os três representam 94% do total. O tucano também lidera o ranking de gastos entre os presidenciáveis. Seu comitê registrou despesas de R$ 6,6 milhões até o momento. O maior gasto foi com a empresa 2014 Comunicação (R$ 3,7 milhões). No rol de despesas de Aécio constam também R$ 319,2 mil para uma empresa que freta jatos. Campos afirma já ter comprometido R$ 5,2 milhões. Desse total, ele repassou R$ 500 mil a candidatos do aliado PPS. Na prestação de contas divulgada nesta quarta, a campanha de Dilma declarou gastos de apenas R$ 86 mil.

FONTE: FOLHA DE S.PAULO