A delegação da 350.org América Latina está levando reivindicações à Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-25), que começou nesta segunda-feira (2) e termina em 13 de dezembro em Madri, na Espanha, por meio de sua equipe e convidados especiais que reforçam a importância dos povos indígenas no papel histórico de defensores climáticos.  Neste grupo, estão representantes de diferentes povos e organizações indígenas que ecoarão suas vozes no contexto da arena das negociações climáticas entre as cerca de 200 nações. Mais uma frente, da ONG, neste período, é quanto à Campanha Mar sem Petróleo (confira mais em As demandas da 350.org América Latina na COP-25). Conheça, agora, um pouco sobre Nicole Figueiredo de Oliveira, diretora da 350.org, no Brasil e região.

Nicole Figueiredo de Oliveira - 350.org AL - COP25

Nicole de Oliveira. Foto: Arquivo pessoal

Qual é a trajetória de Nicole Figueiredo de Oliveira?

Formada em Direito, com Mestrado em Direito Internacional e em Resolução de Conflitos; e outro em Transformação de Conflitos Internacionais. Desde 2001, trabalha na área da justiça social. Ela iniciou esta jornada como presidente da organização não-governamental “Projeto Criança Sorriso”, por quatro anos, durante a faculdade, voltada ao público infantil ‘institucionalizado’. Neste período, exercitou desde a captação de recursos a treinamento de voluntários, chegando a 150 pessoas sob sua coordenação e o atendimento a cinco instituições. 

Depois desta experiência, Nicole decidiu que iria continuar a se dedicar ao segmento de justiça social. Nesta nova etapa, foi diretora, no interior de São Paulo, em São José do Rio Pardo e em Diadema, de projetos de arte-educação, cultura e cidadania em comunidades carentes. Na sequência, se voltou à área socioambiental, na qual atuou como coordenadora de campanha de clima e captadora de recursos do Greenpeace, no Brasil; depois como coordenadora de campanha da Humane Society International, que atua na área de defesa animal, liderando projetos como da Semana sem Carne. Também foi consultora de captação de recursos do Instituto Vitae Civilis e em 2013, ingressou como líder de equipe da 350.org até chegar à atual função.

Quais são as principais causas que mobilizam Nicole Figueiredo de Oliveira?

“O que me mobiliza são as causas que envolvem injustiças principalmente nas áreas social, animal, do direito indígena e do clima. Fui fazer Direito, pensando que seria suficiente, mas descobri que teria de ir muito além para alcançar meus objetivos. Por isso, resolvi ser ativista”. 

Qual é a mensagem de Nicole Figueiredo de Oliveira rumo à COP 25? 

“A principal demanda da 350.org, no Brasil e América Latina, na Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP-25), é que as vozes dos mais impactados pelas mudanças climáticas estejam no centro da tomada de decisão para conter o Aquecimento Global em 1,5 graus. Neste grupo, estão principalmente povos indígenas, ribeirinhos e pescadores artesanais. Todas estas pessoas têm uma relação de defensores climáticos e ao mesmo tempo dependem mais diretamente do meio ambiente para sua sobrevivência. Por isso, estamos levando como convidados algumas vozes indígenas da região para serem ouvidas. Esta é a nossa prioridade”.

Sobre a 350.org e as mudanças climáticas

A 350.org é um movimento global de pessoas que trabalham para acabar com a era dos combustíveis fósseis e construir um mundo de energias renováveis e livres, lideradas pela comunidade e acessíveis a todos. Nossas ações vêm ao encontro de medidas que visem inibir a aceleração das mudanças climáticas pela ação humana, que incluem a manutenção das florestas.

Desde o início, trabalha questões de mudanças climáticas e luta contra os fósseis junto às comunidades indígenas e outras comunidades tradicionais por meio do Programa 350 Indígenas e vem reforçando seu posicionamento em defesa das comunidades afetadas por meio da campanha Defensores do Clima. Mais uma vertente das iniciativas apoiadas pela 350.org é da conjugação entre Fé, Paz e Clima.

 ###
Sucena Shkrada Resk – jornalista ambiental, especialista em política internacional, e meio ambiente e sociedade, é digital organizer da 350.org Brasil

 Veja também:
Série Defensores Climáticos rumo à COP-25: Luiz Afonso Rosário
Série Defensores Climáticos rumo à COP-25: Andreia Takua Fernandes
Série Defensores Climáticos rumo à COP-25: Luana Kaingang
Série Defensores Climáticos rumo à COP-25: Yaku Pérez Guartambel
Série Defensores Climáticos rumo à COP-25: Marcos Sabaru
Série Defensores Climáticos rumo à COP-25: kaiulu Yawalapiti Kamaiura
Série Defensores Climáticos rumo à COP-25: Ninawa Inu Huni Kui, do Acre
As mudanças climáticas no centro da pauta
Sínodo da Amazônia termina com uma proposta conscientizadora sobre as mudanças climáticas
A cultura indígena como porta de entrada de sensibilização
Uma história de respeito ao meio ambiente
Protocolos de consulta indígenas: iniciativa se expande no Brasil
Ailton Krenak fala de sua leitura de mundo no contexto das mudanças climáticas
Papa Francisco inicia Sínodo da Amazônia enfatizando o respeito aos povos originários
Direitos humanos: violência contra povos indígenas aumenta em 2018
Carvão aqui não: todos juntos em solidariedade ao povo Mbya Guarani
Nobel alternativo premia os defensores climáticos Davi Kopenawa e Greta Thunberg
Direito indígena amplia sua visibilidade internacional por meio de lideranças e projeto
A proteção da Amazônia ecoa na voz da mulher indígena