Carta de May Boeve, diretora executiva


Car@s amig@s,

Desde o começo da 350.org, sabíamos que 2015 seria um ano crucial. Esperava-se que as emissões globais de carbono atingissem seu pico nesse ano e, assim, ele assumiu um significado especial como um marco em nosso trabalho. Depois que a primeira grande tentativa de um tratado climático global se esfacelou em Copenhague, estabelecemos 2015 como o novo prazo máximo.

Leia mais ↓

COP 21: Paris


Conferência Climática da ONU em Paris

Em 12 de dezembro de 2015, governantes mundiais reunidos em Paris fizeram um acordo climático de proporções históricas — ele não nos coloca nem perto de onde o mundo precisa chegar, mas conseguimos um acordo, e isso já é extraordinário por si só.

Embora os nossos planos para as marchas tenham sido alterados devido aos trágicos atentados terroristas que aconteceram em novembro em Paris, o movimento climático conseguiu se reunir durante a conferência climática da ONU para pressionar por mudanças.

Muitos dos eventos que organizamos ao longo do ano se destinavam a gerar energia para esse momento em Paris.

Leia mais ↓

785.000 pessoas participaram da Marcha Climática Global nos dias 28 e 29 de novembro

2,300 lugares no mundo todo sediaram eventos da Marcha Climática Global.

10.000 pessoas foram às ruas de Paris depois das negociações, mesmo após o governo ter declarado estado de emergência




Fotos das ações da Marcha Climática Global e do D12 (a partir do canto superior esquerdo): Paris, França: Collin Rees. Dagny, Senegal: desconhecido. Tóquio, Japão: Hiroshi Okamoto. Wellington, Nova Zelândia: 350NZ. Johannesburgo, África do Sul: desconhecido. Varsóvia, Polônia: Konrad Konstantynowicz.

Leia mais ↓

Power through Paris workshop.

Workshop O Poder Passa por Paris. Foto: Kevin Leecaster.

Em setembro, realizamos o evento Off; On no Brooklyn, em Nova York, para traçar um caminho para nosso futuro energético que nos afaste dos combustíveis fósseis, rumo a uma economia movida 100% por fontes de energia renováveis. No mesmo mês, realizamos nossos workshops O Poder por Paris no mundo todo, com o objetivo de ensinar aos ativistas locais as ferramentas de organização que eles podem usar em suas comunidades, antes que eles fossem a Paris para responsabilizar os líderes mundiais por sua ambição desmedida, como os cientistas afirmam ser necessário. Foram realizados aproximadamente 300 workshops em 83 países, com a participação de mais de 6.000 pessoas.

Marcha Climática Global em Londres. Foto: Dominic Lipinski, AP

Nos dias 28 e 29 de novembro, a Marcha Climática Global levou 785.000 pessoas para as ruas em mais de 2.300 lugares do mundo, e mais de 10.000 pessoas participaram da mobilização em Paris no final das negociações. A cada dia que passa, fica claro que nosso movimento está crescendo e ganhando força — e é isso que nos dá esperança de que realmente é possível encontrar uma solução para essa crise.

Nossa equipe de redes sociais deu voz aos povos indígenas e mobilizou o público para pressionar por um acordo sólido e justo durante a conferência. Nosso blog ao vivo teve 115.000 leitores ativos, nós alcançamos 27,6 milhões de pessoas no Facebook e geramos 269,8 milhões de impressões no Twitter durante uma semana e meia de negociações na conferência.

Desinvestiment/Reinvestimento


Desinvestimento dos combustíveis fósseis + Reinvestimento

US$ 3.400.000.000.000 (3,4 trilhões de dólares) Valor total dos ativos com a promessa de algum nível de desinvestimento no fim de 2015

6800% Porcentagem de aumento de compromissos de desinvestimento comparado com 2014

US$ 1 trilhão O fundo soberano da Noruega desinvestiu todos os seus recursos

Em 2015, ficou mais claro do que nunca que o movimento de desinvestimento cresceu muito em relação às suas origens humildes no campus da Swarthmore College e se tornou algo completamente diferente: uma força global sem precedentes para a ação climática, movimentando mercados e influenciando a opinião pública no mundo todo.

Leia mais ↓

Leia mais ↓

 

Fossil Free hand-painted signs and banners.

Foto: Diego Restivo Photography

Da Universidade de Oxford até Columbia, o nosso movimento continua sendo liderado por estudantes engajados que terão que viver com os impactos de longo prazo das mudanças climáticas, o que chama a atenção de muitas instituições: os dois maiores fundos de pensão da Califórnia desinvestiram do carvão, assim como o fundo soberano da Noruega. Juntos, eles totalizavam 1,5 trilhão de dólares em ativos.

Large rally in the UK for Global Divestment Day.

Foto: Fossil Free UK

Com o Dia Global de Desinvestimento, em fevereiro de 2015, geramos conteúdo de mídia e compromissos com o desinvestimento. No mundo todo, em mais de 450 eventos em 60 países, as pessoas afirmaram que se é errado destruir o clima, também é errado lucrar com essa destruição.

Nossa campanha em parceria com o jornal The Guardian arrecadou 300.000 assinaturas pedindo que a Bill and Melinda Gates Foundation e o Wellcome Trust desinvestissem. Mas o número que realmente nos impressionou é este: os compromissos de desinvestimento passaram de US$ 50 bilhões em 2014 para US$ 3,4 trilhões em ativos administrados (ativos administrados por um gestor de investimentos em nome de um cliente) no fim de 2015! Sim, um trilhão com "T", e o número só aumenta.

Nós também ajudamos a formar uma rede de reinvestimento nos Estados Unidos, para pegar os fundos desinvestidos dos combustíveis fósseis e direcioná-los para as comunidades mais afetadas pela economia extrativista e exploradora. Reunimos ativistas locais para criar uma rede translocal de parceiros criando estruturas de investimento alternativas (pense em cooperativas, parques solares, empresas comunitárias, etc.) em comunidades afetadas pelas mudanças climáticas. Em parceria com a rede de estudantes pelo desinvestimento, nós oferecemos treinamento a dezenas de estudantes e estimulamos o relacionamento entre lideranças universitárias a favor do desinvestimento e organizações em comunidades afetadas pelas mudanças climáticas para que se fortaleçam juntos, impulsionando o desinvestimento e lutando pelo reinvestimento em alternativas comunitárias à economia dos combustíveis fósseis.

Indústria dos Combustíveis Fósseis


Mantenham os combustíveis fósseis no subsolo

Em todos os lugares sobre os quais a indústria dos combustíveis fósseis pôs os olhos em 2015, nosso movimento apareceu para levar uma mensagem simples: nosso clima simplesmente não aguentará a construção de novas infraestruturas para exploração de combustíveis fósseis.

Seja em Energy East, no Canadá, em Alberta Clipper, em Minnesota, EUA, ou em outro projeto de energia suja em qualquer lugar do mundo, nosso movimento lutou contra novos oleodutos, investimentos em carvão e instalações para exportação de gás obtido através de fracking, que aprisionam nossa sociedade em um modelo que a obriga explorar e pagar por combustíveis fósseis por muitos anos ainda.

Grande vitória — 7 de novembro de 2015

O oleoduto Keystone XL foi rejeitado!

Large rally at the Washington monument to protest Keystone XL

Foto: Shadia Fayne Wood

Anos de organização e milhares de ações na América do Norte fizeram com que o oleoduto Keystone passasse de "um negócio fechado" a ser politicamente tóxico — e definiram um precedente global para a rejeição de grandes projetos de infraestrutura para exploração de combustíveis fósseis nos marcos climáticos.

Areias betuminosas

Canadá
Estados Unidos

Os anos de mobilização foram recompensados com a rejeição do oleoduto Keystone XL, comunidades indígenas lideram as lutas contra novos oleodutos e o Canadá dá as boas-vindas climáticas ao primeiro-ministro Trudeau.

Mais sobre areias betuminosas ↓

2015 foi o ano em que o presidente Obama finalmente rejeitou o oleoduto Keystone XL, citando especificamente as mudanças climáticas em sua argumentação. Isso é resultado de mais de quatro anos de trabalho do nosso movimento, que realizou mais de 750 ações e compareceu a mais de 100 eventos com a participação do presidente Obama e do secretário Kerry, para pressioná-los.


Map of all Keystone XL actions from the past 4 years.

Mapa das ações em Keystone XL ao longo dos últimos 4 anos.


Mas nós sabíamos que parar Keystone não seria suficiente para interromper a expansão das areias betuminosas. Então, organizamos uma série de ações de boas-vindas climáticas para receber o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau. Nessas ações, mais de 300 pessoas correram o risco de serem presas durante quatro dias de "protestos sentados" para exigir que ele mantivesse suas promessas acerca das mudanças climáticas. Lideradas por idosos e mulheres indígenas, pessoas vindas de todos os cantos do país se reuniram e deram presentes para o novo primeiro-ministro, inclusive painéis solares.


Foto: Robert Van Waarden/Survival Media

No início deste ano, nossa equipe do Canadá trabalhou com parceiros para organizar dois dias de ações massivas em julho, para enviar a mensagem de que nós somos mais fortes que as areias betuminosas. A cereja no bolo dessas ações foi uma enorme marcha em Toronto, liderada por comunidades indígenas e outras comunidades diretamente afetadas, com mais de 10.000 pessoas exigindo ações reais em relação a empregos, justiça e mudanças climáticas.


Na porção norte do Meio-Oeste estadunidense, ajudamos a mobilizar 5.000 pessoas para a Marcha de Resistência às Areias Betuminosas no Meio-Oeste, que trouxe mais energia para a luta para impedir o oleoduto de Alberta Clipper e outros projetos com areias betuminosas propostos pela Enbridge. Essa ação reuniu comunidades indígenas, ambientalistas e outras comunidades afetadas de todo o Meio-Oeste para manifestar a oposição cada vez maior às areias betuminosas. Desde essa marcha, os ativistas têm como alvo os tomadores de decisão estaduais e fazem um barulho cada vez maior para impedir os oleodutos para areias betuminosas em todo o Meio-Oeste.

Foto: Oriana Eliçabe

Fracking

Brasil
Estados Unidos

Municípios em todo o Brasil proibiram e impuseram moratórias sobre a prática do fracking, e a Califórnia foi o palco da maior manifestação antifracking já realizada nos Estados Unidos.

Mais sobre fracking ↓

No Brasil, a campanha antifracking está acumulando vitórias: 51 municípios aprovaram proibições ao fracking. A campanha teve outra grande vitória em julho de 2015, quando a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados aprovou uma moratória de cinco anos contra a prática do fracking em todos os territórios nacionais. No dia 4 de outubro de 2015, nós organizamos um dia de ação em solidariedade aos brasileiros que lutavam contra o fracking. No total, 23 países e 39 cidades brasileiras simbolicamente disseram não ao fracking nesse dia de ação. Em um leilão para a concessão de terras públicas para a exploração de petróleo e gás, a 350.org apoiou uma ação organizada pela COESUS - Coalizão Não Fracking Brasil -, em que povos indígenas e ativistas protestaram contra o fracking. Dos 266 blocos que estavam sendo leiloados, apenas 37 foram vendidos.

photo from the California March for Real Climate Leadership

Foto: Kelly Johnson

Nos EUA, nós desempenhamos papéis fundamentais em duas coalizões nacionais contra o fracking e ajudamos a organizar a Marcha pela Liderança Climática Real, que atraiu mais de 8.000 pessoas para uma marcha em Oakland, Califórnia, para pedir a proibição do fracking - a maior marcha antifracking da história dos EUA. Nós também trabalhamos com membros da comunidade na Califórnia para fotografar, documentar e coletar histórias sobre como o fracking afeta sua vida. Nós conseguimos chamar a atenção da mídia e contradissemos essa história de que o fracking é "seguro".

Ende Gelande

Foto: Paul Wagner

Carvão

Filipinas
Alemanha
Austrália

As Filipinas proíbem todas as usinas de carvão em Palawan, a ação Ende Gelände ocupa uma das maiores minas de carvão da Europa e a Austrália pressiona os bancos para que deixem de financiar os combustíveis fósseis.

Mais sobre carvão ↓

A 350.org Austrália, uma entidade independente e parceira da 350.org, chamou a atenção para e criou resistência contra a expansão da exploração de carvão na Bacia da Galileia, que seria a maior área de exploração de carvão da Austrália e uma das maiores do mundo. Após meses de pressão contínua com a campanha #RaiseTheHeat (em português: "aumente a temperatura") da 350.org Austrália, 12 bancos internacionais e dois bancos nacionais — incluindo dois dos quatro maiores bancos do país — passaram a descartar publicamente o financiamento do projeto devido aos seus riscos financeiros e ambientais.


Protesting coal in Palawan

Foto: Therene Quijano

Nas Filipinas, nossa equipe se conectou com a comunidade de Palawan, que enfrenta o risco de construção de uma usina de carvão. Em abril de 2015, a 350.org Filipinas lançou uma petição contra essa usina e sua mina e entregou mais de 6.000 assinaturas ao governo.

Nossa equipe realizou vários treinamentos em junho, para fortalecer a capacidade da equipe de organização local em Palawan e em outros lugares, e pressionou as autoridades para proibirem a usina. Em fevereiro de 2016, graças ao ativismo de base, o governo determinou que nenhuma nova usina de carvão seria construída em Palawan!


Na Alemanha, de 14 a 16 de agosto de 2015, nossa equipe apoiou uma enorme ação de base para paralisar as maiores escavadoras de carvão do mundo por um dia. Essa ação recebeu o nome de "Ende Gelände", que quer dizer "até aqui, e não mais além". Mais de 1.500 pessoas participaram diretamente da ação, e estimamos que 350 a 400 pessoas vieram de outros países para participar. Muitas das 1.500 pessoas que participaram desse ato épico de desobediência civil nunca tinham feito nada semelhante.

Ende Gelände, 2015. Foto: Paul Wagner

 

 

Treinando Treinadores


Organização Global e Desenvolvimento de Lideranças

Com a 350 East Asia (Leste Asiático), jovens ativistas participam de um treinamento de O Poder por Paris. Foto: 350 East Asia.

Nós temos um programa global de treinamento novinho em folha para facilitar workshops e treinamentos no mundo todo e aumentar a capacidade dos nossos organizadores regionais de dar suporte a um número maior de ativistas em seu engajamento em campanhas maiores e mais ousadas.

Nosso novo programa fomenta lideranças e tradições locais para criar um ativismo poderoso — como o Programa de Treinamento dos Guerreiros do Pacífico, que mobilizou centenas de ativistas indígenas em muitas ilhas do Pacífico, levando-os a se engajarem em ações massivas para enfrentar a indústria do carvão na Austrália.

Leia mais ↓

Nós trabalhamos com o Global Greengrants Fund para opinar sobre a distribuição de 55 bolsas para líderes climáticos de base em 34 países. Essas bolsas permitiram que alguns grupos organizassem atividades e garantissem que suas vozes seriam ouvidas pelos tomadores de decisões da ONU em Paris, além de nos permitir fortalecer nossa parceria com esses grupos. Nós ampliamos as atividades dos bolsistas com a produção de vídeos e materiais de comunicação.

À medida que aumentamos nosso orçamento, temos consciência de que há parceiros que não foram beneficiados da mesma maneira. Podemos tentar coisas novas, assumir riscos e desenvolver nossa equipe de maneiras que a maioria de nossos parceiros também adoraria — e sem essa capacidade, o movimento não alcança seu potencial pleno, e nosso impacto fica limitado. Nós adoramos fazer parte de um movimento em que outros parceiros, principalmente os de base, também crescem e alcançam seus maiores objetivos. Para que isso ocorra, parcerias como essa com o Global Greengrants são muito importantes para nós, e buscaremos mais no futuro.

 

Colaboramos com o Global Greengrants Fund para distribuir:

55 Bolsas em
34 Países

Perspectiva de um ativista


Perfil: Kretã Kaingang

Photo of Kreta Kaygang

Kretã Kaingang. Foto: Itamar Crispim.

As parcerias são a base de nosso trabalho na 350.org. Nós não conseguimos realizar esse trabalho fundamental de combate às mudanças climáticas sem as centenas de organizações parceiras e milhares de ativistas voluntários no mundo todo. Nós trabalhamos estreitamente com nossos parceiros em campo e apoiamos seu trabalho para maximizar os impactos pelo progresso. Apenas para citar um exemplo:

Kretã Kaingang é um representante da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e fala em nome deles. Seu pai também foi um famoso ativista pelos direitos dos povos indígenas e foi morto no genocídio indígena durante a ditadura militar no país.

Agora, em um momento em que o fracking ameaça os territórios e os meios de subsistência de povos indígenas da Amazônia, Kretã lidera a luta dos Kaingang, que estão conscientes desse perigo e se organizam para resistir a ele.

Leia mais ↓


O envolvimento de Kretã com essa luta começou durante os workshops organizados pela 350 Brasil e parceiros, inclusive a COESUS - Coalizão Não Fracking Brasil, para explicar os riscos do fracking. Ele relembra: "a coalizão Não Fracking foi essencial para chamar a nossa atenção para um assunto que antes era desconhecido para nós [o fracking], e nos ensinou como se opor a ele, além de ajudar os povos indígenas a entenderem melhor esse assunto por meio de workshops. A maioria dos brasileiros, não apenas os indígenas, não sabe o que é fracking. Todos nós deveríamos saber...".

Não Fracking Brasil posters.

Cartazes da campanha Não Fracking Brasil.

"Os interesses dos enormes projetos de combustíveis fósseis e mineração em todo o Brasil e no planeta inteiro não podem mais ser colocados acima dos direitos indígenas e dos direitos humanos."

O envolvimento de Kretã e de outros líderes indígenas, junto com o apoio de nossos parceiros locais, inclusive o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) e a Fundação Cooperlivre Arayara, foi crucial para engajar a Procuradoria Regional da República e outras autoridades locais em ações legais que levaram a decisões judiciais proibindo o fracking em sete estados brasileiros. Para Nicole Oliveira, líder da equipe da 350.org no Brasil, "a luta é longa, mas não vamos parar; me sinto confiante para dizer que estamos ganhando e que derrotaremos a indústria dos combustíveis fósseis".


Graphic: 56 cidades no Brasil baniram o fracking

Kretã tem consciência de que pareceres em instâncias superiores podem revogar essa decisão, mas ele tem uma visão clara de sua situação: "nós vamos continuar lutando. Vamos continuar lutando em nossos países, mas também vamos criar uma união internacional para colaborar nessa luta contra o fracking. Vamos continuar lutando por um Brasil sem fracking e por um planeta melhor para as gerações futuras. Nós, povos indígenas, não lutamos pelo presente. Nós lutamos pelas próximas gerações, e todos devem se unir para lutar pelos direitos deles".

Graças a Kretã e a pessoas como ele — do Brasil à África do Sul, da Grã-Bretanha ao sul do Pacífico, passando por centenas de lugares — foi possível conquistar tantas coisas em tão pouco tempo.

"Os interesses dos enormes projetos de combustíveis fósseis e mineração em todo o Brasil e no planeta inteiro não podem mais ficar acima dos direitos indígenas e dos direitos humanos", afirmou Kretã em um editorial recente. op-ed

A 350.org trabalhou com Kretã para escrever este perfil e o publica com sua permissão. Nossos mais sinceros agradecimentos a Kretã e a todos os nossos ativistas voluntários, parceiros e apoiadores no mundo todo!

Finanças


Informações financeiras

 

5298780,836110,836110,1132000,221000

Despesas do ano fiscal de 2015: $8,954,000

Campanhas — US$ 7.601.000 (85%)

  • Trabalho de campo — US$ 5.298.780
  • Comunicação — US$ 836.110
  • Digital — US$ 836.110

Administração e operações gerais — US$ 1.132.000 (13%)

Captação de recursos — US$ 221.000 (2%)

 


 

7795000,3368000,175000

Receita do ano fiscal de 2015: US$ 11.338.000

Fundações — US$ 7.795.000 (69%)

Indivíduos — US$ 3.368.000 (30%)

Outras fontes — US$ 175.000 (1%)

Além das doações individuais, o trabalho da 350.org no ano fiscal de 2015 contou com o apoio das seguintes instituições:

  • AHS Foundation
  • The Alper Foundation
  • Angel Fund of Whatcom Community Foundation
  • Anne Cox Chambers Foundation
  • The Arete Foundation
  • Arkay Foundation
  • Arntz Family Foundation
  • The Beim Foundation
  • The Betty Millard Foundation
  • The Blum Family Foundation
  • The Boston Foundation
  • Brenda Richardson Fund of the Baltimore Community Foundation
  • The Charles and Kaaren Family Foundation
  • Christina Heroy Foundation
  • Clif Bar Family Foundation
  • Climate Ride
  • Climateworks Foundation
  • Community Foundation of Louisville
  • Compton Foundation
  • Crankstart Foundation
  • CREDO
  • Cultural Vision Fund
  • Danem Foundation
  • Davis/Dauray Family Fund
  • The DeLong Family Trust
  • Denison Family Foundation
  • The Douglass Family Foundation
  • The Dudley Foundation
  • Elphaba Fund at the Boston Foundation
  • The Emanuel and Anna Weinstein Foundation
  • Emmons-Bradlee Family Foundation
  • European Climate Foundation
  • The Fair Share Fund at the Community Foundation Santa Cruz County
  • FThree Foundation
  • Fast Tempos & Odd Time Signatures Fund
  • Fellows Fund at the Rhode Island Foundation
  • Frahn Family Fund of the Silicon Valley Community Foundation
  • Franciscan Sisters of Mary
  • Frankel Family Foundation
  • Franklin Philanthropic Foundation
  • Frederick Mulder Foundation
  • The Frost Foundation
  • The Grace Jones Richardson Trust
  • The Gratch Family Fund, Evanston Community Foundation
  • Good Hand Foundation
  • Gould Family Foundation
  • Grantham Foundation for the Protection of the Environment
  • Gregg and Cynthia Alex Family Charitable Fund
  • Hirshan Family Foundation
  • Holzer Family Foundation
  • James and Marcene Sonneborn Fund
  • The Jelks Family Foundation
  • John and Marianne Gerhart Fund of Tides Foundation
  • Jonathan C.S. Cox Family Foundation
  • The K Foundation
  • Kane Family Foundation
  • The Kendeda Fund
  • KR Foundation
  • Lear Family Foundation
  • Lenfestey Family Foundation
  • The Libra Foundation
  • LJTJ Fund
  • Lockhart Vaughan Foundation
  • Louis and Anne Abrons Foundation
  • Louise B. and J. Ashley Cadwell Fund of the Vermont Community Foundation
  • The Lumpkin Family Foundation
  • The Lutz Fund
  • Malcolm Cravens Foundation
  • The Mad Rose Foundation
  • The Madwoman Project in the Charlottesville Area Community Foundation
  • The Marcus R. and Regina M. Magnuson Family Donor Advised Fund of Renaissance Charitable Foundation
  • Marisla Foundation
  • Marquis George McDonald Foundation
  • Mason-Brown Fund at the Boston Foundation
  • Mattlin Foundation
  • The Mendell Family Fund
  • The Mennonite Foundation
  • Mertz Gilmore Foundation
  • The Michels Family Foundation
  • Michl Fund of the Community Foundation of Boulder County
  • Mize Family Foundation
  • Morse Hill Trust
  • The Namaste Foundation
  • New Belgium Family Foundation
  • New Venture Fund
  • The New York Community Trust
  • Oak Foundation
  • The Oregon Community Foundation
  • The Overbrook Foundation
  • Park Foundation
  • Patagonia
  • Paul and Edith Babson Foundation
  • Phalarope Fund of Community Foundation Sonoma County
  • The Pill Maharam Family Fund
  • Pisces Foundation
  • Putnam Foundation
  • Razoo Foundation
  • The Reis Foundation
  • Richard and Rachel Fund, New Mexico Community Foundation
  • Robert Scripps Family Foundation
  • Robert Sterling Clark Foundation
  • Robinhood Cove Fund of the Essex County Community Foundation
  • Rockefeller Brothers Fund
  • Rose Foundation for Communities and the Environment
  • RSF Social Finance as recommended by Jennifer Ladd
  • S.B. Foundation
  • The Sainsbury Family Charitable Trusts
  • Samuel and Elizabeth Smith Fund
  • Schaar & Whelpton Foundation
  • Schaffner Family Foundation
  • Scherman Foundation
  • Schlingerman-Christensen Family Foundation
  • The Seattle Foundation
  • Second Anonymous Fund, Santa Fe Community Foundation
  • Seth MacFarlane Foundation
  • Shlenker Block Fund at the Houston Jewish Community Foundation
  • The Shifting Foundation
  • The Shimkin Foundation
  • The Silicon Valley Community Foundation
  • Sitxty-Nine Roses Charitable Foundation at the Boston Foundation
  • South Mountain Company Foundation
  • Stanley Family Fund of the Community Foundation of New Jersey
  • The Stanny Foundation
  • The Streisand Foundation
  • Stuart and Joanna Brown Charitable Fund
  • Sudhanshu, Lori & Anand Family Fund of the Silicon Valley Community Foundation
  • Szekely Family Foundation
  • ThreeBees Fund at The Boston Foundation
  • Tides Foundation
  • The Tilia Fund
  • Thanksgiving Fund
  • TomKat Charitable Trust
  • Tortuga Foundation
  • Treeline Foundation
  • V. Kann Rasmussen Foundation
  • Van Strum Foundation
  • Wallace Global Fund
  • The White Cedar Fund of Tides Foundation
  • William and Linda Green Charitable Fund
  • The William B. Wiener, Jr. Foundation
  • William C. Bullitt Foundation
  • The Winslow Foundation
  • Yellow Chair Foundation
  • Zaitlin-Nienberg Family Fund

Em cumprimento às leis federais dos EUA, a 350.org deve realizar uma auditoria anual independente de suas finanças. Você pode visualizar esses relatórios clicando abaixo:

*Estes documentos estão sob o nome 1Sky Education Fund, o antigo nome de pessoa jurídica da 350.org. Em abril de 2011, ocorreu a fusão da 350.org com a 1Sky.