Diocese de Umuarama recebe formação sobre mudanças climáticas e combustíveis fósseis

Adesão da instituição à Campanha do Desinvestimento em fontes poluentes de energia pautou a reunião dos membros do clero

 

whatsapp-image-2016-10-20-at-17-26-02

Em reunião com membros do clero da Diocese, Reginaldo Urbano Argentino faz apresentação sobre mudanças climáticas e a importância de desinvestir em combustíveis fósseis (Fotos: 350Brasil/COESUS).

 

A importância de se retirar investimentos dos combustíveis fósseis foi tema da reunião dos membros do clero da Diocese do Divino Espírito Santo de Umuarama, no Paraná. Orientado pelo Bispo Dom João Mamede Filho, Reginaldo Urbano Argentino, coordenador da campanha do desinvestimento pela 350.org Brasil e presidente da Cáritas Paraná, realizou na tarde desta quinta-feira (20) uma apresentação aos padres das respectivas paróquias da instituição sobre os impactos das mudanças climáticas e os planos para a implementação da primeira Diocese de Baixo Carbono do Brasil.

No dia 04 de outubro, em anúncio conjunto com outras seis instituições católicas ao redor do mundo, a Diocese de Umuarama tornou público seu comprometimento em tornar-se uma Diocese de Baixo Carbono, aplicando uma série de medidas para reduzir o uso de energias não renováveis e, assim, as emissões de gases que causam o efeito estufa. O anúncio foi o maior do segmento religioso até o momento, e a instituição brasileira foi não só a primeira Diocese como também a primeira instituição da América Latina a aderir à campanha.

“Daqui para frente fica o apelo, a pressão para que tudo seja feito no caminho da energia limpa, e que no futuro existam menos fontes poluentes sendo utilizadas no mundo. Vamos repassar também a empresários e particulares a mensagem de que tudo hoje pode ser feito sem que precisemos continuar investindo nos combustíveis fósseis. É puro non sense rejeitar propostas para uma mudança que vai trazer melhorias a todas as nossas comunidades”, sentenciou o Bispo Dom Mamede, que também é parceiro da campanha Não Fracking Brasil, coordenada nacionalmente pela 350.org e pela COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida.

Segundo ele, já há uma reforma grande em curso no Centro de Formação da Diocese orientada no caminho das energias limpas e renováveis, como a solar. O Bispo destacou ainda que os padres ficaram estarrecidos com a questão do fracking e as consequências causadas onde a técnica para extração não convencional do gás de xisto já vem sendo aplicada.

whatsapp-image-2016-10-20-at-17-26-07

Padre Jailson João da Silva, Coordenador Diocesano da Ação Evangelizadora da Diocese de Umuarama, afirmou que a recepção da campanha por parte de todos os membros do clero foi muito boa, pois “tudo que vem para melhorar a vida de nossas comunidades nós procuramos colocar em prática”. Segundo ele, algumas paróquias já são movidas a energia solar e nas próximas reuniões será desenvolvido o plano e definido os melhores meios para atingir o objetivo de ser a primeira Diocese de Baixo Carbono.

“Guiados pela encíclica Laudato Si, do Papa Francisco, tentaremos inspirar outras instituições a também seguirem nesse caminho. Aquilo que se coloca como ação concreta ajuda a mostrar a outras paróquias e dioceses que esse é um projeto viável, que pode de fato ajudar a cuidar da nossa Casa Comum e assegurar a vida no nosso planeta”, completou Padre Jailson.

Reginaldo Urbano Argentino afirmou que a adesão da Igreja Católica é fundamental para que o movimento ganhe força globalmente. “A iniciativa da Diocese de Umuarama já é um exemplo para instituições no Brasil, na América Latina e no mundo. Seguiremos com a campanha de conscientização e formação, para que cada vez mais pessoas sejam convertidas pela Laudato Si e possam ajudar a adotar um modelo de desenvolvimento mais justo, livre e sustentável, cuidando do nosso bem maior, que é a vida no planeta”, frisou ele