A população de dezenas de cidades do oeste paulista está sendo convidada para participar de palestras e audiências públicas de conscientização sobre a importância de se proteger o clima, a água e os ecossistemas da região.  As ações são coordenadas pela  COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida – e pela 350.org Brasil. O último encontro, realizado nesta segunda-feira (13), em Martinópolis, reuniu mais de 450 pessoas, entre representantes do poder público e da sociedade civil. Nesta terça, a COESUS realiza novo encontro público na cidade de Álvares Machado e, na sexta, em Presidente Epitácio.

Nicole Figueiredo de Oliveira, diretora da 350.org Brasil e América Latina, e coordenadora nacional da COESUS, e Juliano Bueno de Araujo, coordenador de campanhas climáticas da 350.org Brasil e fundador da COESUS, falaram à população sobre os riscos de contaminação do solo, do ar e, principalmente, da água pela técnica não convencional de extração de petróleo e gás de xisto pelo método do fraturamento hidráulico – o fracking. Mais de 50 municípios da região estão ameaçados.

“Como mulher, me preocupo muito com a contaminação hormonal, os riscos de má formação de feto e abortos, causados por todas as substâncias tóxicas lançadas no ambiente pelo fracking. Não podemos permitir que nossa saúde e das gerações futuras sejam prejudicadas. Por isso, essa é uma campanha em defesa da vida”, afirmou Nicole Figueiredo de Oliveira.

Na tarde desta terça-feira (14), os representantes da COESUS e da 350.org Brasil e América Latina se reuniram com prefeitos, vereadores e secretários municipais de 18 municípios da região, para apresentar o programa Cidades Globais da ONU, que visa o desenvolvimento de cidades de baixo carbono.

“Queremos trazer para a região projetos de sustentabilidade que contemplem soluções para resíduos sólidos, usinas solares, polos de piscicultura e outros programas subsidiados por órgãos internacionais. Estamos em uma região de muita pobreza e esse programa pode trazer desenvolvimento, mas de forma sustentável”, explica José Lira, coordenador estadual da COESUS.

São Paulo avança no combate ao fracking

O procurador da República de Presidente Prudente, Luiz Roberto Gomes, vêm participando ativamente das ações coordenadas pela COESUS no oeste paulista. Nas palestras e encontros oferecidos à comunidade ele apresenta as ações jurídicas necessárias para o banimento do fracking na região.

“Podemos ter contato com a população local e explicar, no caso do Ministério Público Federal, as ações realizadas para proteger o meio ambiente”, relata Luiz Roberto Gomes. O procurador da República se refere à liminar, de 3 de outubro de 2017, que suspende a licitação dos blocos de exploração de gás de xisto na região de Presidente Prudente e os contratos de concessão assinado junto às empresas. Gomes explica, no entanto, que à decisão cabe recurso e por isso é essencial que os municípios criem suas próprias leis para impedir a prática.

O procurador de Martinópolis, Dr. Galileu Marinho, enfatiza a importância de que todos os municípios da região atuem por meio da legislação municipal para proibir o fracking, uma vez que os danos causados pela atividade atingem um raio de até 80 km. “A região está totalmente sem informação. Foi a sétima palestra que realizamos para alertar a população sobre os perigos do fracking, e para incentivar os prefeitos e vereadores a criarem suas leis”, relata Marinho.

sigh