ONU autoriza Brasil explorar minério em fundo do oceano

Ouro, cobre, entre outros minérios poderão ser extraídos das profundezas na nova atividade, mineração no fundo do mar.

O Brasil foi autorizado por um braço da ONU a explorar recursos minerais em águas internacionais do oceano Atlântico por 15 anos, levantando tanto potenciais ganhos econômicos quanto preocupações ambientais, a cerca de 1,5 mil km da costa do Rio de Janeiro.

Expedição-descobre-continente-submerso-no-Atlântico-Sul_2

Essa mineração submarina é considerada uma nova fronteira na busca por metais preciosos, como manganês, cobre e ouro, que se tornaram essenciais na economia mundial moderna.

“Nestes 15 anos, mapearemos o que existe lá e avaliaremos seu potencial econômico. Depois, podemos entrar com um novo pedido para explorar economicamente”, afirma Roberto Ventura Santos, diretor de geologia e recursos minerais do Serviço Geológico do Brasil (CPRM)

“As possibilidades são interessantes, porque é uma região rica em elementos químicos usados na indústria, especialmente nas de alta de tecnologia, na produção de chips, peças de usinas eólicas e carros elétricos.”

mineração

No entanto, esse tipo de exploração não é vista com bons olhos por grupos de defesa do meio ambiente, que alegam que a exploração pode trazer prejuízos para ecossistemas marinhos. Um protocolo para minimizar o impacto ambiental ainda está sendo estudado.

O biólogo marinho Jon Copley, da Universidade de Southampton, vem monitorando a mineração nas chamadas dorsais oceânicas, nome dado às cadeias de montanhas submersas que se formam do afastamento de placas tectônicas.

“Cerca de 6.000 km de dorsais oceânicas, ou 7,5% do total, são exploradas hoje por seu potencial mineral. Essas dorsais são um dos três locais do fundo do oceano em que há depósitos de minerais que atraem o interesse de países e empresas. Mas também vivem nestes locais colônias de espécies que não são encontradas em outras partes do oceano e podem ser suscetíveis a impactos ambientais gerados pela mineração”, diz Copley.

Em contra-partida Santos, da CPRM, diz que isso será levado em conta no caso brasileiro: “Faremos um estudo de impacto ambiental junto com o de potencial econômico. Nosso pedido foi muito elogiado por causa disso”.

Mas de qualquer formar, o mais interessante para todos seria não mexer na vida marinha, na natureza.

BBC, MAR SEM FIM, FOLHA VERDE NEWS

 

Parem novos projetos com combustíveis fósseis!

Para atingir as metas do Acordo de Paris e salvar o planeta da devastação climática é necessário deter imediatamente novos projetos de desenvolvimento que utilizem carvão, petróleo e gás.
Inclua seu nome