9 Setembro, 2019

Desinvestimento global de combustíveis fósseis e movimento de investimentos em energia limpa ultrapassam a marca de US$ 11 tri

Investidores institucionais prometem levar seus investimentos “do passado para o futuro”

09/09/2019, Cidade do Cabo, África do Sul – O movimento global para desinvestimento em empresas de combustíveis fósseis e investimento em soluções para o clima anuncia hoje um grande marco: o total de ativos comprometidos com o desinvestimento passou dos onze trilhões de dólares. Os ativistas pelo clima celebraram essa marca histórica com o lançamento de um novo relatório, chamado “US$ 11T e contando: novas metas para um mundo livre de fósseis”. (1) O ritmo acelerado dos compromissos de desinvestimento é impressionante: foram necessários dois anos para  desinvestimento dos primeiros US$ 2 trilhões, mas os US $ 2 trilhões mais recentes foram alcançados em menos de 6 meses.

O lançamento do relatório coincide com o início do evento Financiando o Futuro, cúpula global de desinvestimento-investimento realizada na Cidade do Cabo, na África do Sul, nos dias 10 e 11 de setembro de 2019. (2) Com a participação de mais de 300 delegados de 44 países, a conferência foi projetada para fortalecer o trabalho dos defensores do desinvestimento-investimento em todos os continentes. O encontro contribui para acelerar o movimento do capital, da indústria de combustíveis fósseis rumo a um futuro de energia 100% renovável, com foco particular em garantir o acesso a energia para as 850 milhões de pessoas no mundo que não dispõem de eletricidade em casa.

A localização da cúpula, na Cidade do Cabo, palco de campanhas de desinvestimento durante a era do apartheid, destaca os paralelos entre o movimento pela justiça climática e as campanhas pela justiça social, racial e de gênero. Os organizadores do evento extraem forças do sucesso do movimento pelo desinvestimento, liderado por iniciativas populares. Ao mesmo tempo, condenam a recente onda de ataques xenofóbicos e misóginos na África do Sul e enfatizam a necessidade de uma liderança ponderada na luta por justiça.

“A luta pela justiça climática é uma luta pelos direitos humanos fundamentais. Todas as pessoas que enfrentam níveis mais profundos de seca, furacões extremamente fortes ou conflitos causados pelo clima foram prejudicadas pelas empresas de combustíveis fósseis. Seus direitos a saúde, água, comida, moradia e até à vida foram prejudicados, razão pela qual a Anistia Internacional decidiu desinvestir em empresas de combustíveis fósseis. Isso garante que os direitos humanos e o trabalho em prol de energias renováveis ​​limpas para todos estejam na vanguarda das conversas sobre justiça climática ”, disse Kumi Naidoo, Secretário Geral da Anistia Internacional, no lançamento da conferência.

Um setor-chave do movimento de desinvestimento-investimento – e da própria cúpula – é a liderança contínua e de longa data das comunidades religiosas. Hoje, mais 22 instituições religiosas anunciam seu desinvestimento de combustíveis fósseis, juntando-se ao total global de mais de 170 organizações religiosas que se afastaram da energia suja. (3)

“Milhões de pessoas estão enfrentando a fome, as doenças e os conflitos crescentes que resultam de um mundo em aquecimento, e as instituições religiosas estão respondendo com a clareza que essa crise exige. Estamos desinvestindo em combustíveis fósseis, provando que a ganância nunca triunfará sobre o amor ”, disse Thomas Insua, diretor executivo do Movimento Global Católico pelo Clima.

Enquanto investidores com uma missão, como grupos religiosos, fundações, escolas e organizações de saúde, continuam a liderar em termos de compromissos líquidos de desinvestimento-investimento, a maior parte dos ativos comprometidos com o desinvestimento agora vem de investidores institucionais, como gestores globais de recursos, fundos soberanos, empresas de seguros e fundos públicos de pensão. O desinvestimento, antes estritamente um apelo moral à ação, agora também é visto como a única resposta financeira prudente ao risco climático. A indústria de combustíveis fósseis está atrasada em relação ao mercado em mais de uma década, terminando em último lugar nos rankings da Standard&Poors (S&P) em 2018. O setor apresenta desempenho insatisfatório, volátil e exposto a múltiplos riscos de transição, constituindo-se uma aposta decididamente ruim para os investidores.

“Os investidores institucionais literalmente têm o poder de definir o futuro. O dinheiro está por trás de todas as decisões de expandir ou contratar a indústria de combustíveis fósseis, de retardar ou acelerar a transição para a energia limpa ”, disse Clara Vondrich, diretora da Divest Invest, parceira organizadora do Financing the Future. “Não há mais tempo para o engajamento dos acionistas com a indústria de combustíveis fósseis, que está nos levando a um ponto irreversível de efeitos sobre o clima. É hora de tomar uma decisão. De que lado da história você está?”, questionou Vondrich.

Os ativos comprometidos com o desinvestimento saltaram de US$ 52 bilhões, em 2014, para mais de US $ 11 trilhões hoje – um aumento impressionante de 22.000%. Mais de 1110 instituições já se comprometeram com políticas de lista negra de carvão, petróleo e gás. Isso inclui fundos soberanos, bancos, gestores globais de ativos e companhias de seguros, cidades, fundos de pensão, organizações de assistência médica, universidades, grupos religiosos e fundações. Os destaques incluem instituições tão diversas quanto o Fundo Soberano da Noruega, a Conferência Episcopal das Filipinas, o Rockefeller Brothers Fund, a Associação Médica Britânica, a Amundi Asset Management e a Caisse des Dépôts (a instituição de financiamento público da França), a Prefeitura de Nova York, a Prefeitura da Cidade do Cabo, o KfW (banco de desenvolvimento alemão), a Universidade de Estocolmo, os museus Tate no Reino Unido, a seguradora Allianz e a Catedral Episcopal de St Mary, em Edimburgo, na Escócia (primeira catedral do mundo a desinvestir em combustíveis fósseis).

“Esses números são fortes indicadores de que o poder popular está vencendo. Nós não teríamos ultrapassado nossas metas de desinvestimento sem os milhares de grupos locais que pressionaram seus representantes a se retirar dos combustíveis fósseis” concluiu Ahmed Mokgopo, ativista pelo desinvestimento da 350.org. 

O relatório completo sobre a cifra global de desinvestimento está disponível para leitura.